Produtividade e Salários

Imediatamente após a mudança da hora para o horário de verão, uma série de efeitos negativos sobre a economia são observados:

  • Os trabalhadores são 20-27% menos produtivos [WBLF12];

  • Acidentes de trabalho aumentam 5,7% [BaWa09];

  • Os trabalhadores perdem 67,6% mais dias de trabalho devido a lesões [BaWa09];

  • Aumentam os erros laborais, sendo exemplo crítico o aumento do número de erros médicos [KCMM20], e potenciais perdas nas bolsas de valores [BeDo11 , KaKL00]

 

Felizmente, os efeitos aqui listados, como consequência da mudança de hora, diminuem dentro de semanas. No entanto, existem efeitos persistentes, resultantes do desalinhamento do fuso horário.

Para a produtividade no trabalho, as estimativas variam, mas todas concordam em que é menor sob horário de verão [GiMa19, GiSh18,  JiZi20]. Alguns estudos mostram perda de produtividade de 1,1% no verão [GiSh18, JiZi20]. Este valor é consistente com as estimativas da perda de produtividade devido ao sono insuficiente [HSTT16] . 

Os países da UE passam 7 meses em horário de Verão e 5 meses em horário Padrão. Assumindo que o efeito é igualmente distribuído, estar-se-á a experienciar uma contração do Produto Interno Bruto (PIB) em 0.64%. Usando valores do PIB para 2018, tal corresponde a uma perda de cerca de 1.3 mil milhões de euros para Portugal.

Não surpreendentemente, foi observado também que os salários tendem a ser 3% mais baixos com o horário de verão permanente, significando que a perda de produtividade afeta todos os trabalhadores [GiMa19, GiSh18]. Com base no ordenado médio [Oecd20], os trabalhadores em Portugal perdem em média cerca de 440 euros por ano devido aos 7 meses passados no horário de verão. 

Portuguese Wages_PT.png

Figura 1: Impacto que diferentes regimes da hora legal tem nenhum salário médio anual português, relativo ao regime em vigor da mudança de hora (UTC+00:00/+01:00).