Saúde

Cronobiologistas pelo mundo inteiro concordam que os nosso relógios devem seguir a hora natural. O horário de verão é um horário artificial e tal tem sérias consequências para a saúde física e psicológica, especialmente se aplicado durante todo o ano [BTPK17, Dayl20, Kali00, RWSA19].

Mas porquê isto?

O horário de verão significa viver num fuso horário mais a leste da localização geográfica do país. A hora do dia e, consequentemente, as horas sociais, que devemos seguir, são demasiado cedo para a posição real do sol e, portanto, demasiado precoces para o relógio interno [RoWK19], que controla as fases do sono e da atividade [KrMe13, S.4, 55, 68, 128]. Assim, o horário de verão coloca os tempos sociais ainda mais distantes daqueles que seriam compatíveis com o relógio interno, ou seja: simplesmente somos obrigados a acordar cedo demais. O resultado é um aumento no jetlag social [BTPK17]

Os problemas temporários da mudança para o horário de verão são já conhecidos pela maioria das pessoas.

No entanto, as consequências crónicas de uma vida sempre no fuso horário errado (horário de verão permanente) são amplamente subestimadas (consulte o mito "Você habitua-se"). No entanto, estes são muito mais graves do que os problemas agudos temporários da mudança de hora.

Consequências temporárias da mudança de hora

Estudos que analisam os dias após a mudança para o horário de verão mostram:

  • O sono da noite é encurtado. [BaWa09]

  • Os jovens ficam mais sonolentos durante o dia. ScRa09]

  • Acidentes gerais e visitas às urgências aumentam. [FROF18]

  • A incidência de ataques cardíacos aumenta. [JALM12, MFGZ00]

  • Há mais acidentes vasculares cerebrais. [SRRK16]

  • Após fertilização in vitro ocorrem mais frequentemente abortos. [LPCG17]

  • As pessoas sofrem mais de oscilações de humor. [MoAp80]

Os efeitos da mudança de hora são comparados pelos cientistas com os do trabalho por turnos [MoAp80].

Consequências crónicas do horário de verão (permanente)

Como o horário de verão aumenta o jetlag social [BTPK17], as consequências do horário de verão são iguais às consequências do jetlag social.

Horário de verão (permanente)

  • aumenta o risco de:

  • afeta adversamente a nossa imunidade levando a:

    • Respostas imunitárias comprometidas e a uma maior suscetibilidade a doenças e infeções [BCSN17, HABC20, PaPD18, PhSK15].

    • Um agravamento das alergias, tais como a asma, a rinite alérgica e a dermatite atópica, e das respostas autoimunes, tais como a artrite reumatoide e a doença inflamatória intestinal  [BCSN17, CKSD18, HABC20, PaPD18, PhSK15].

  • aumenta a necessidade de insulina em pacientes adolescentes com diabetes tipo I [SBBK18].

  • aumenta o consumo de cigarros, cafeína e álcool [WDMR06, WiPR10].

  • aumenta a tendência para hábitos alimentares não saudáveis [APWV18].

  • afeta o desempenho cognitivo e académico [DíEs15, HEGR14].

  • aumenta o potencial de agressão física e verbal em adultos jovens [RaVo13].

  • reduz a expectativa de vida [Bori11a].

Desmistificação: Efeitos supostamente positivos do horário de verão

Os efeitos supostamente positivos do horário de verão, tais como o aumento da atividade física por mais uma hora de luz ao entardecer, são considerados refutados [Roen19, Wats19, Zick14]. Os estudos mostram apenas um aumento muito pequeno na atividade noturna em alguns países, nenhuma atividade noutros países ou mesmo uma diminuição na atividade [GPCI14, Roen19, Zick14].

O argumento de que uma hora suplementar de luz ao entardecer é boa para a saúde também é uma interpretação errada dos dados científicos. É verdade que devemos aproveitar o máximo possível de atividades ao ar livre durante o dia, pois tal é importante para o ajuste do nosso relógio interno Porém, é importante a hora à qual recebemos essa luz. Pessoas com baixa exposição a luz diurna, têm, na sua grande maioria, os seus relógios internos atrasados, contribuindo tal para o jetlag social [Roen19]. É presentemente esse o caso para a maioria das pessoas [RPZW19, SKAH20]. Mas para acertar o relógio para mais cedo e minimizar esse jetlag social, precisamos de luz pela manhã [RoDM03] (consulte também higiene da luz). E é precisamente essa luz da manhã que nos é tirada com horário de verão. No entanto, a luz do entardecer, que o horário de verão nos dá, significa que nossos relógios internos estão ainda mais atrasados ​, de modo que nosso jet lag social é ainda maior [RoDM03].

Horário cedo para uma sociedade tardia? Não faz sentido.

As estatísticas mostram que o relógio interno da maioria das pessoas já é "demasiado tardio" em comparação à norma social. Cerca de 70% precisam de um despertador para acordar às 7 da manhã [RPZW19]. Isso é demonstrado pela distribuição de cronotipos (tipos de sono) [RPZW19, SKAH20]. Essas pessoas já sofrem com o jetlag social [RPZW19]. ]. O tempo de sono do corpo não atende à norma social. Ou melhor dito: a norma social não respeita os períodos de sono do corpo da maioria das pessoas.

Como tal, que sentido faz mudar para ainda mais cedo o horário social? É exatamente isso que o horário de verão faz.

O horário de verão não significa mais nada do que ter que acordar uma hora mais cedo. Em vez de entre 23.00 e 7:00, o resto da noite estatutária é, no horário de verão, entre as 22:00 e as 6:00. E isso é demasiado cedo. Ao escolher o horário de verão, afastamos ainda mais as normas sociais das nossas fases naturais de sono. Usando o horário de verão como um novo padrão de hora, a população seria então constituída por cronotipos ainda mais tardios, com jetlag social ainda mais exacerbado [BTPK17].

Particularmente dramático é o horário de verão durante o inverno, pois nossos relógios internos são mais tardios do que no verão devido à estação do ano [HBWC18, HBWH14, HNST18, KJMR07].

 

 

Mito: "Uma pessoa habitua-se."

 

A subestimação do risco associado ao horário de verão permanente é baseada no mito de que o corpo se adapta a este. Está cientificamente provado que o relógio interno não é influenciado pelos tempos sociais, mas pela luz [Alle19, RoDM03]. O sol tem uma influência importante, apesar da existência de luz artificial [Bori11, HBWC18, Rand08]. Os tempos médios de despertar seguem o curso leste-oeste do sol para o mesmo fuso horário, embora o tempo social seja o mesmo [RoKM07]. Foi demonstrado que os ritmos do cortisol (a "hormona da vigília") avançam apenas dois minutos durante o horário de verão, embora o relógio social tenha sido alterado em 60 minutos [HBWH14]. Na Rússia, houve um aumento constante do jetlag social e um aumento dos níveis de depressão no inverno durante os três anos de horário de verão permanente (2011 - 2014) - efeitos que só desapareceram quando retornaram ao horário padrão permanente [BTPK17]. Os perfis de atividade nos fins de semana dificilmente reagem à alteração para o horário de Verão [KJMR07, RoKM07]. O sono noturno é reduzido em 19 minutos [GiMa19, Roen19]. Também  efeitos positivos da mudança de hora no outono com o regresso à hora padrão, tais como "mais uma hora de sono", indicam uma falta crónica de sono [KlDi05, Roen19]. O fato das taxas de ataque cardíaco descerem no outono após a mudança para o horário padrão [JALM12], sugere que elas aumentam durante o horário de verão [RoWK19].

Outro indicador muito óbvio, de que o sol tem uma grande influência nas horas que sentimos ser melhor para as nossas rotinas diárias, é o fato do horário médio de trabalho de leste a oeste estar a ficar mais tardio, como foi observado no fuso horário da Europa Central [RoWK19], mesmo que o hora seja igual  para todo mundo. Dessa forma, as pessoas intuitivamente tentam-se proteger do atraso este-oeste do tempo solar.

  • facebook logo_pt

© 2020 por BetterTimes.